11 de dezembro de 2012

Conhecer é mais do que ouvir




Certo dia estava eu orando e meditando na palavra do Senhor, quando Deus em sua infinita misericórdia me fez chamar a atenção para uma passagem bem conhecida na Bíblia: a da mulher samaritana (João 4).

Comecei a meditar e buscar em Deus entendimento sobre aquilo. Como todo mundo está careca de saber, Jesus conversou com essa mulher. Ela, e até mesmo os discípulos de Jesus, ficaram um pouco assustados, pode-se assim dizer, pelo fato de Cristo conversar com ela a sós, coisa que não era do costume do Mestre conversar com mulheres, ainda mais um samaritana. Enfim, todo nós sabemos como isso termina. Mas o que Deus me fez chamar a atenção foi a continuação dessa história. Essa mulher neste momento conheceu Aquele que criou todas as coisas. Antes era apenas uma mulher samaritana buscando água em um poço, depois da conversa, uma pregadora do evangelho de Deus. Como isso pode acontecer? Talvez ela já tivesse ouvido falar da fama de Jesus que percorria todo o território da época, talvez não, mas isso não importa. Uma mulher que vinha de um povo que não se comunicava com os judeus, depois de conversar com um, saiu anunciando que Ele era o Messias prometido a Israel chamando todo o povo de sua região para irem até lá conversarem com Ele e verem com seus próprios olhos.

Então ela saiu anunciando que tinha encontrado alguém que sabia tudo da sua vida, e questionando se aquele não era o Cristo (João 4:28-30). Ela conheceu a Cristo, e apenas uma conversa a fez questionar sobre tudo aquilo que ela havia aprendido um dia por parte do seu povo. Apenas uma conversa bastou pra ela encontrar uma espada que colocasse em cheque os seus conhecimentos. O mais interessante é o que vem depois. Em João 4:42, versículo que encerra essa história, diz:

E diziam à mulher: Já não é pelo teu dito que nós cremos; porque nós mesmos o temos ouvido, e sabemos que este é verdadeiramente o Cristo, o Salvador do mundo.”

Aqui vemos um povo que talvez por curiosidade, ou apenas pelo fato de tentar mostrar para aquela mulher que ela estava ficando louca e que não existia esse negócio de Messias, foram encontrar com Jesus. E depois de estarem com Ele por um pouco de tempo, disseram à mulher: “Já não é pelo teu dito que nós cremos;”, ou seja, ela já não precisava falar mais nada, eles mesmos o ouviram dizer e creram!! É SIMPLESMENTE LINDO ESSA PASSAGEM. Uma mulher depois de uma conversa conseguiu levar talvez uma multidão de pessoas para encontrar-se com Jesus, e isso bastou!

Conhecer a Cristo não é apenas ouvir sobre Ele...

Talvez se a multidão tivesse se alimentado apenas do que a mulher contou, eles continuariam suas vidas pacatas e sem graça, correndo atrás do vento, mas eles permitiram que aquelas palavras entrassem em seus corações e isso despertou um interesse em ir atrás de quem foi falado. E indo a este encontro foram totalmente tomados pelo poder que há na palavra de Deus e se renderam a majestade de Cristo!!

Quantos de nós nos alimentamos apenas das experiências de terceiros a respeito de Deus? Isso é uma palavra de confronto!! Será que o que você sabe, ou acha que sabe sobre Deus, são apenas coisas que você ouviu falar? Se isso for verdade na sua vida, como também foi na minha um dia, LEVANTE-SE!! Corra atrás de Cristo, leia sua palavra, busque conhece-lo, tenha SUAS PRÓPRIAS EXPERIÊNCIAS COM DEUS, pois apenas uma conversa, poderá mudar toda a sua história!

 

Com amor,

Eric Scaglioni.

6 de dezembro de 2012

O que tem sido seu alimento Espiritual?


Na ocasião em que o Senhor Jesus encontrou aquela mulher samaritana   ( João 4)  ,ao sair de lá os discipulos  vieram ao encontro de Jesus e oferecaram -lhe comida :
 E entretanto os seus discípulos lhe rogaram, dizendo: Rabi, come.Ele, porém, lhes disse: Uma comida tenho para comer, que vós não conheceis.Então os discípulos diziam uns aos outros: Trouxe-lhe, porventura, alguém algo de comer?Jesus disse-lhes: A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou, e realizar a sua obra.(João 4:31-34).
O alimento pra nós é crucial para que permançamos vivos, quem não se alimenta  devidamente torna-se fraco , e  seu sistema imunoógico  ( nosso sistema de defesa) debilitado. Neste trecho o Senhor Jesus falava de um alimento espiritual , aquilo que sustentava Ele :
 FAZER A VONTADE DO PAI.  Isso nos leva a pensar que todas as vezes que deixamos de fazer a vontade do Pai , eu deixo me me alimentar "espiritualmente" , e isso me faz ficar fraco e debilitado espiritualmente, me torno uma presa fácil para Satanás.
 O que tem sido o seu alimento? o seu alimento tem sido a vontade do Pai , ou a sua vontade? Com certeza a sua resposta irá de encontro com  a sua condição espiritual no dia de hoje.
 
 
Que Jesus abençoe a todos ,


Barbara Vital

4 de dezembro de 2012

Preparando-se para o casamento- série do livro Relacionamentos Complementares- Parte 4

Dando Muito Valor a Cristo — Solteiro ou Casado

Tudo isso é uma simples introdução para deixar claro que na beleza do casamento como uma parábola física do amor pactual entre Cristo e a igreja, e a beleza do celibato como uma parábola física da natureza espiritual da família de Deus que cresce por regeneração e fé, não procriação e sexo — para deixar claro em todas estas coisas que nem o casamento nem o celibato são idolatrados ou temidos. Casamento e celibato podem ser idólatras. Cônjuges podem idolatrar um ao outro, ou idolatrar o sexo, ou idolatrar seus filhos, ou idolatrar o poder de compra que se tem ao possuir duas rendas e nenhum filho. Solteiros podem idolatrar a autonomia e a independência. Solteiros podem olhar para o casamento como um compromisso cristão de segunda classe com luxúria. Aqueles que são casados podem olhar para o celibato como uma marca de imaturidade ou irresponsabilidade, ou incompetência, ou até mesmo homossexualidade.
Mas o que estou tentando esclarecer é que há maneiras que exaltam a Cristo de ser casado e há maneiras que exaltam a Cristo de ser solteiro. Há maneiras de usar nossos corpos, nossos apetites no casamento e no celibato que dão muito valor a Cristo.

Aquela Infame Frase em 1 Coríntios 7:9

E penso que eu deveria apenas fazer um breve comentário sobre aquela infame frase em 1 Coríntios 7:9: “Caso, porém, não se dominem, que se casem; porque é melhor casar do que viver abrasado.” Lembre-se, isto se dirige explicitamente a homens e mulheres (v. 8). E aqui está a única coisa que eu quero dizer a respeito disso: Quando uma pessoa busca se casar, sabendo que como solteira viveria “abrasada”, isso não precisa significar que o casamento se torna um mero canal para a luxúria.  Paulo nunca quereria dizer isso em vista de Efésios 5.
Ao invés disso, quando uma pessoa se casa — deixe-me simplesmente usar o homem como um exemplo — ele toma seu desejo sexual, e ele faz a mesma coisa com ele que todos nós devemos fazer com todos nossos desejos físicos se queremos torná-los meios de adoração — 1) ele o traz à conformidade da palavra de Deus; 2) ele o subordina a um padrão mais alto de amor e cuidado; 3) ele transpõe a música do prazer sexual pela música da adoração espiritual; 4) ele ouve os ecos da bondade de Deus em cada nervo; 5) ele busca dobrar seu prazer tornando a alegria dela sua própria alegria; e 6) ele dá graças a Deus do fundo de seu coração porque ele sabe e sente que ele nunca mereceu um minuto sequer deste prazer.

Magnificando a Cristo ao Demonstrar Hospitalidade

Agora ao texto, 1 Pedro 4:7-11, e o que está estimulando este capítulo, a saber, o desejo de que Cristo seja magnificado na maneira pela qual aqueles que são casados e aqueles que são solteiros demonstrem hospitalidade uns aos outros. Vamos passar pelo texto rapidamente com breves comentários e então retiraremos simples e óbvias implicações — e oraremos para que Deus use esta palavra poderosamente para nos mudar para sua glória e nossa alegria.

O Fim Está Próximo

Versículo 7: “O fim de todas as coisas está próximo”. Pedro sabe que com a vinda do Messias, o fim dos séculos chegou (1 Coríntios 10:12; Hebreus 12:2). O reino de Deus chegou (Lucas 17:21). E portanto, a consumação de todas as coisas poderia varrer o mundo em muito pouco tempo.
Portanto, assim como Jesus nos ensinou a sermos vigilantes quanto às nossas vidas e observar, Pedro diz (v. 7): “Sede, portanto, criteriosos e sóbrios a bem das vossas orações”. Ou seja, cultive um relacionamento muito pessoal com aquele que você espera ver face a face em sua vinda. Não seja um estranho a Cristo. Você não irá querer encontra-lo como um estranho. E busque em oração toda a ajuda que você irá precisar nestes últimos dias para que você permaneça de pé nos dias de grande tribulação (Lucas 21:36). E não dependa de sua espontaneidade para trazê-lo à oração. “Sede criteriosos e sóbrios a bem das vossas orações”.

O Amor é Acima de Tudo

Então, versículo 8: “Acima de tudo, porém, tende amor intenso uns para com os outros, porque o amor cobre multidão de pecados”. O amor é acima de tudo, e ele será ainda mais necessário conforme o fim se aproxima. Por que? Porque as pressões, tensões e tribulações destes últimos dias colocarão os relacionamentos sob tremendo estresse. Mas nestes dias nós precisaremos uns dos outros, e o mundo estará observando para ver se somos reais: “Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros” (João 13:35). Nós cobriremos, carregaremos e suportaremos as faltas e fraquezas uns dos outros ou deixaremos nossos corações serem dominados pera raiva?

Hospitalidade sem Murmuração

O versículo 9 dá uma forma deste amor, e estaria dizendo que tal amor lembra de fazê-lo sem murmurar?  “Sede, mutuamente, hospitaleiros, sem murmuração”. Se estamos amando ardentemente e o amor cobre multidão de pecados, então nós não resmungaremos tão facilmente, não é mesmo? O amor cobre muito do que nos faz murmurar. Então a hospitalidade sem murmuração é o chamado dos cristãos nos últimos dias. Justamente nos dias em que seu estresse está alto, e há pecados que precisam ser cobertos, e razões para a murmuração são abundantes — justamente em tais dias, Pedro diz, o que precisamos é praticar hospitalidade.
Nossos lares precisam estar abertos. Porque nossos corações estão abertos. E nossos corações estão abertos porque o coração de Deus está aberto a nós. Lembra-se de como o apóstolo João conectou o amor de Deus com o nosso amor uns pelos outros em relação à hospitalidade? Ele escreveu em 1 João 3:16-17: “Nisto conhecemos o amor: que Cristo deu a sua vida por nós; e devemos dar nossa vida pelos irmãos. Ora, aquele que possuir recursos deste mundo, e vir a seu irmão [solteiro ou casado!] padecer necessidade, e fechar-lhe o coração, como pode permanecer nele o amor de Deus?”

Despenseiros da Multiforme Graça de Deus

Temos espaço para ir apenas até aqui neste texto. Exceto simplesmente apontar a o que acontece quando nos reunimos em nossos lares. Versículo 10: “Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus”. “Despenseiros da multiforme graça de Deus!” Eu amo esta frase. Todo cristão é um despenseiro — um zelador, um gerente, um tutor, um distribuidor, um servo — da multiforme graça de Deus. Que grande razão para estar vivo! Todo cristão vive em graça. “Deus pode fazer-vos abundar em toda graça, a fim de que, tendo sempre, em tudo, ampla suficiência, superabundeis em toda boa obra” (2 Coríntios 9:8). Se você tem medo da hospitalidade — que você não tem muita força pessoal ou muitos bens pessoais — bom. Então você não intimidará ninguém. Você dependerá ainda mais da graça de Deus. Você irá olhar ainda mais para a obra de Cristo e não para a sua própria obra. E, ah, que bênção as pessoas terão em seu simples lar. Seu pequeno apartamento.

Acolhei Uns aos Outros Como Também Cristo vos Acolheu

Então aqui está: a virtude cristã da hospitalidade — uma estratégia de amor nos últimos dias que exalta a Cristo.
Agora algumas aplicações para fechar: Primeiro, para todos. Se você pertence a Cristo, se você tem pela fé recebido sua hospitalidade salvífica, que ele comprou com seu próprio sangue, então estenda esta hospitalidade a outros. Romanos 15:7: “Acolhei-vos uns aos outros, como também Cristo nos acolheu para a glória de Deus”. Você vive em livre graça todos os dias. Seja um bom despenseiro dela na hospitalidade.
Segundo, para os casados. Planejem que sua hospitalidade inclua solteiros — pequenos grupos, jantares de domingo, piqueniques, festividades. E não faça uma exibição disso. Apenas aja naturalmente. E não se esqueça de que há solteiros de oito anos de idade e solteiros sessenta anos de idade, e solteiros de cinquenta, quarenta, trinta e vinte anos de idade, homens e mulheres, que já foram casados e que nunca se casaram, divorciados e viúvos. Pense como um cristão. Esta é sua família, mais profundamente e mais eternamente que seus parentes.
Terceiro, para os solteiros. Demonstrem hospitalidade para outros solteiros e para casais casados. Talvez isso pareça estranho. Mas deveria parecer estranho? Não seria uma marca da graça de Deus em sua vida?
Eu oro para que o Senhor faça esta linda obra em nosso meio — em todos nós. O fim de todas as coisas está próximo. Sejamos sóbrios pelo bem de nossas orações. Amemos uns aos outros. Sejamos bons despenseiros da multiforme graça de Deus, e mostremos hospitalidade sem murmuração. “Acolhei-vos uns aos outros, como também Cristo vos acolheu”.
 
Fonte: Voltemos ao evangelho


3 de dezembro de 2012

Preparando-se para o casamento- Série do livro relacionamentos complementares- PARTE 3

Ora, o fim de todas as coisas está próximo; sede, portanto, criteriosos e sóbrios a bem das vossas orações. Acima de tudo, porém, tende amor intenso uns para com os outros, porque o amor cobre multidão de pecados. Sede, mutuamente, hospitaleiros, sem murmuração. Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus. Se alguém fala, fale de acordo com os oráculos de Deus; se alguém serve, faça-o na força que Deus supre, para que, em todas as coisas, seja Deus glorificado, por meio de Jesus Cristo, a quem pertence a glória e o domínio pelos séculos dos séculos. Amém! —1 Pedro 4:7-11


O que motiva este capítulo é um desejo de que Cristo seja magnificado na maneira pela qual os que são casados e os que são solteiros demonstrem hospitalidade uns aos outros. Ou, para colocar de outra maneira, se é verdade — e acredito que seja — que a família de Deus, que é gerada pelo novo nascimento e pela fé em Cristo, é mais central e mais duradoura que as famílias que são geradas a partir do casamento e da procriação e adoção, então como esta família espiritual e eterna (a igreja) se relaciona cada um com o outro (casados e solteiros) é uma testemunha crucial para o mundo de que nossas vidas são orientadas pela supremacia de Cristo e que nossos relacionamento são definidos não apenas pela natureza, mas por Cristo. Eu anseio por ver Cristo magnificado através de aqueles que são casados envolvendo solteiros em suas vidas, e aqueles que são solteiros envolvendo casados em suas vidas por amor de Cristo e do evangelho.

“Por Ser Este Meu Discípulo”

Jesus disse: “E quem der a beber, ainda que seja um copo de água fria, a um destes pequeninos, por ser este meu discípulo, em verdade vos digo que de modo algum perderá o seu galardão” (Mateus 10:42). É claro, Jesus também disse que devemos amar nosso inimigo (Mateus 5:44), e Paulo disse para dar um copo de água ao nosso inimigo (Romanos 12:20). Este tipo de amor receberá sua recompensa. Mas aqui Jesus diz: Demonstre singela bondade para com as pessoas precisamente por serem elas seguidoras de Jesus. E isto também receberá sua recompensa.
Em outras palavras, quando você olha nos olhos de uma pessoa solteira ou uma pessoa casada e você vê o rosto de um seguidor de Jesus — um irmão ou irmã de sua própria família eterna — aquele relacionamento com Jesus que você vê deveria extrair de seu coração uma bondade prática — como hospitalidade — por amor de Jesus. Jesus é o foco aqui. Ele diz: “Faça isto ‘por ser este meu discípulo’. Eu serei honrado de uma maneira especial se você der de beber a um discípulo meu por esta razão. Se você recebê-lo em sua casa, faça isso por amor a mim”. É isso que quero dizer quando falo que anseio por ver Cristo magnificado através de aqueles que são casados envolvendo solteiros em suas vidas, e aqueles que são solteiros envolvendo casados em suas vidas.
 

O Mundo Material — para a Glória de Deus

Apenas mais algumas palavras de introdução antes de olharmos para o texto de 1 Pedro. Você já se perguntou por que Deus nos deu corpos e criou um universo material? E porque ele ressuscita nossos corpos e os torna novos e então liberta esta terra para que ela seja uma nova terra na qual possamos viver para sempre em nossos novos corpos? Se Deus queria ter grande louvor (“Porque grande é o SENHOR e mui digno de ser louvado”, Salmo 96:4), por que não apenas criar anjos sem corpos mas com grandes corações que pudessem apenas falar com Deus e não um com o outro? Por que todos estes corpos e por que as pessoas deveriam ser capazes de se comunicarem umas com as outras? E por que árvores, terra, água, fogo, vento, leões, cordeiros, lírios, pássaros, pão e vinho?
Há diversas profundas e maravilhosas respostas para estas perguntas. Mas a que eu desejo mencionar é esta: Deus criou corpos e coisas materiais porque quando eles são corretamente vistos e corretamente usados, a glória de Deus é mais plenamente conhecida e demonstrada. Os céus estão anunciando a glória de Deus (Salmo 19:1). Considere os pássaros no ar e os lírios do campo e você conhecerá mais da bondade e do cuidado de Deus (Mateus 6:26-28). Veja nas coisas que ele criou seus atributos invisíveis — seu eterno poder e sua natureza divina (Romanos 1:20). Olhe para o casamento e veja Cristo e a igreja (Efésios 5:23-25). Sempre que você comer este pão e beber deste cálice, você declara a morte do Senhor até que ele venha (1 Coríntios 11:26). Quer você coma ou beba ou qualquer coisa que você faça, faça tudo para a glória de Deus (1 Coríntios 10:31). O mundo material não é um fim em si mesmo; ele é projetado para demonstrar a glória de Deus e despertar nossos corações para conhece-lo e valorizá-lo mais.

Tornando Santos a Comida e o Sexo

A realidade física é boa. Deus a criou como uma revelação de sua glória. E ele tem em mente que a santifiquemos e o adoremos com ela — ou seja, vê-la em relação a ele e usá-la de uma maneira que dê muito valor a ele e que o fazer isto nos dê alegria. Tudo isso tem influência direta no casamento e no celibato. Isso nos protege de idolatrar o sexo e a comida como deuses. Eles não são deuses; são feitos para Deus para honrar a Deus. E isso nos protege de temer o sexo e a comida como se fossem malignos. Eles não são malignos; são instrumentos de adoração — são maneiras de dar muito valor a Cristo. Eis aqui o texto chave: 1 Timóteo 4:1-5. Este é um dos mais importantes textos na Bíblia quando se trata de apetites físicos ou sexo.
Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios, pela hipocrisia dos que falam mentiras e que têm cauterizada a própria consciência, que proíbem o casamento e exigem abstinência de alimentos que Deus criou para serem recebidos, com ações de graças, pelos fiéis e por quantos conhecem plenamente a verdade; pois tudo que Deus criou é bom, e, recebido com ações de graças, nada é recusável, porque, pela palavra de Deus e pela oração, é santificado.
Sexo e comida — dois grandes ídolos na Ásia Menor do primeiro século e dos Estados Unidos do século 21. E a resposta de Deus àqueles que resolvem o problema da idolatria do sexo e da comida meramente renunciando-os ou evitando-os é dizer que estes mestres são demoníacos — “ensinos de demônios” (v. 1). Qual é a solução de Deus? Tudo criado por Deus é bom; nada deve ser rejeitado se for recebido com ação de graças e santificado pela palavra de Deus e pela oração. Você santifica a comida usando-a de acordo com a palavra de Deus em oração dependente de Cristo. Você santifica o sexo usando-o de acordo com a palavra de Deus em oração dependente de Cristo.

POR: voltemos ao evangelho

RESISTA!


21 de novembro de 2012

Preparando-se para o casamento - Série do livro Relacionamentos Complementares- John pipper - Parte 2

Por Que Buscar Satisfação Sexual no Casamento?

Mas agora um problema emerge imediatamente. Alguém pode perguntar: “Se eu estou contente através da fé nas promessas de Deus, porque eu sequer deveria buscar a satisfação sexual?” Esta é uma boa pergunta. E a primeira resposta a isto é: “Talvez você não devesse buscar nenhuma satisfação sexual; talvez você devesse permanecer solteiro.” Isto é o que Paulo encoraja em 1 Coríntios 7:6-7. Ele diz: “De maneira nenhuma estou ordenando que todos se casem e satisfaçam desejos sexuais. O que quero dizer é que não tem nada de errado com o desejo sexual, e se uma pessoa tem um desejo irresistível, o casamento é o lugar para satisfazê-lo. Mas (versículo 7): “Quero que todos sejam [solteiros] como também eu sou; no entanto, cada um tem de Deus o seu próprio dom; um, na verdade, de um modo; outro, de outro”. Este é um versículo realmente notável. Paulo poderia querer que todos fossem como ele: livres das complicações da vida em família e do forte desejo de se casar. Mas ele sabe que esta não é a vontade de Deus: “Cada um tem de Deus o seu próprio dom”. Deus determina que algumas pessoas sejam casadas e algumas sejam solteiras. Ele não mantém a todos como Paulo; alguns ele mantém como Pedro, que levava sua esposa com ele em suas viagens missionárias (1 Coríntios 9:5). Então, a primeira resposta para a pergunta “Se possuo contentamento através da fé nas promessas de Deus, porque eu deveria buscar satisfação sexual?” é: “Talvez você não devesse. Deus pode querer que você seja solteiro”.
                Mas há uma segunda resposta para esta pergunta, a saber, o contentamento que as promessas de Deus dão não significa o fim de todos os desejos, especialmente desejos corporais. Mesmo Jesus, cuja fé foi perfeita, teve fome e desejou comer, e se cansou e desejou descansar. O apetite sexual está na mesma categoria. O contentamento da fé não o remove da mesma maneira que não remove a fome e o cansaço. O que, então, significa o contentamento em relação ao desejo sexual permanente? Penso que significa duas coisas.
  1. Se a satisfação de tal desejo é negada através do celibato, então tal negação será compensada por uma abundante porção do auxílio e da comunhão de Deus através da fé. Em Filipenses 4:11-13 Paulo disse: “Digo isto, não por causa da pobreza, porque aprendi a viver contente em toda e qualquer situação… já tenho experiência, tanto de fartura como de fome; assim de abundância como de escassez; tudo posso naquele que me fortalece.” Se Paulo pôde aprender a viver contente na fome, então podemos aprender a vivermos contentes se Deus escolher não nos dar satisfação sexual.
  2. A outra coisa que o contentamento significa em relação ao desejo sexual permanente é esta:  se a satisfação não é negada a nós, mas nos é oferecida no casamento, nós a buscaremos e a desfrutaremos apenas de maneiras que reflitam a nossa fé. Colocando de outra maneira, enquanto o contentamento da fé não coloca um fim em nossa fome, nosso cansaço ou no nosso apetite sexual, ele de fato transforma a maneira que cuidamos de satisfazer tais desejos. A fé não impede que nós comamos, mas impede a glutonaria; ela não impede que durmamos, mas impede que sejamos preguiçosos. Ela não impede o nosso apetite sexual, mas… Mas o que? É com isso que desejamos gastar o resto deste capítulo tentando responder, embora o espaço aqui permita apenas uma resposta parcial.

A Fé Crê que o Sexo é um Presente de Deus

Em primeiro lugar, quando o ouvido da fé ouve a palavra de 1 Timóteo 4:4 que “tudo que Deus criou é bom, e, recebido com ações de graças, nada é recusável” — quando o ouvido da fé ouve isso, ele crê. E então, a fé honra o corpo e seus apetites como bons presentes de Deus. A fé não permitirá que um casal casado deite em seu leito e diga um para o outro: “O que estamos fazendo é sujo; é o que se faz em filmes pornográficos.” Ao invés disso, a fé diz: “Deus criou este ato, e ele é bom, e ele foi criado para ‘os fiéis e para aqueles que conhecem plenamente a verdade’ (1 Timóteo 4:3)”. O mundo foi quem saqueou os presentes de Deus e os corrompeu através do mau uso. Mas eles pertencem por direito aos filhos de Deus, e então a fé não nos deixa vê-los como mundanos ou poluídos. “Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula”.
 

A Fé Liberta da Culpa do Passado

Em segundo lugar, a fé aumenta a alegria das relações sexuais no casamento porque ela liberta da culpa do passado. Tenho em vista, principalmente, aqueles de nós que somos casados mas temos de olhar para trás e ver um ato de fornicação, ou adultério, ou incesto, ou uma aventura homossexual, ou anos de masturbação habitual, ou preocupação com pornografia, ou carícias promíscuas, ou divórcio. E o que eu tenho a dizer a nós é isto: Se, pela graça de Deus, você sente em seu íntimo a vontade de se atirar na misericórdia de Deus para o perdão, então ele lhe livrará da culpa do passado.
“Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus” (Romanos 8:1).
“Mas, ao que não trabalha, porém crê naquele que justifica o ímpio, a sua fé lhe é atribuída como justiça” (Romanos 4:5).
“Bem-aventurado aquele cuja iniquidade é perdoada, cujo pecado é coberto. Bem-aventurado o homem a quem o SENHOR não atribui iniquidade” (Salmo 32:1-2).
“[Deus] não nos trata segundo os nossos pecados, nem nos retribui consoante as nossas iniquidades. Pois quanto o céu se alteia acima da terra, assim é grande a sua misericórdia para com os que o temem. Quanto dista o Oriente do Ocidente, assim afasta de nós as nossas transgressões” (Salmo 103:10-12).
“Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” (1 João 1:9).
Não há nenhuma necessidade de um filho de Deus carregar qualquer culpa para o leito conjugal. Mas isso requer uma fé sólida, pois Satanás adora fazer com que não nos sintamos perdoados pela podridão de nossa vida anterior.  “Resisti-lhe firmes na fé” (1 Pedro 5:9). “Embraçando sempre o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do Maligno” (Efésios 6:16) — fé no Filho de Deus que amou você e deu a si mesmo por você (Gálatas 2:20), que por amor de você foi feito pecado para que você se tornasse justiça de Deus (2 Coríntios 5:21), que carregou seus pecados em seu corpo na cruz (1 Pedro 2:24). Lance mão de seu perdão, e leve-o com você para seu leito conjugal.
                Cristo morreu pelo seu pecado para que nele você tenha relações sexuais livres de culpa no casamento.
                Agora deixe-me esclarecer algo que eu disse antes, a saber, que ainda que a culpa de nosso pecado possa ser lavada, algumas cicatrizes permanecem. Posso imaginar um casal logo antes de seu noivado sentados em um parque. Ele vira para ela e diz: “Eu tenho algo a dizer. Há dois anos atrás eu tive relações sexuais com outra garota. Mas eu estava longe do Senhor, e foi só uma noite. Eu chorei por causa daquela noite muitas vezes. Deus me perdoou, e eu espero que você possa me perdoar.” Nas semanas que seguem, não sem lágrimas, ela o perdoa, e eles se casam. E em sua primeira noite de lua de mel eles se deitam juntos, e enquanto ele olha para ela, as lágrimas se acumulam em seus olhos e ele diz: “Qual o problema?” E ela diz: “Eu só não consigo evitar pensar naquela outra garota, que ela deitou bem onde estou agora”. E anos depois, quando a novidade do corpo de sua esposa já se desgastou, ele se pega desviando sua imaginação não intencionalmente para a sensação daquela aventura de uma noite. Todos nós cometemos pecados cujos, apesar de perdoados, tornam nossa vida presente mais problemática do que se não os tivéssemos cometido.
                Mas não quer dar a impressão de que Cristo é impotente contra tais cicatrizes. Ele pode não remover todos os problemas que estas cicatrizes nos causam, mas ele prometeu trabalhar até mesmo através destes problemas pelo nosso bem se o amamos e somos chamados segundo seu propósito.
                Tome por exemplo nosso casal imaginário que acabei de descrever. Eu prefiro pensar que houve um final feliz. Eles chegaram eventualmente a um relacionamento sexual satisfatório porque eles o trabalharam abertamente em constante oração e confiança na graça de Deus. Eles falaram a respeito de seus sentimentos. Não mantiveram nada reprimido. Confiaram um no outro e ajudaram um ao outro, e conseguiram paz e harmonia sexual e, acima de tudo, novas dimensões da graça de Deus.
                Cristo morreu não apenas para que nele pudéssemos ter relações sexuais livres de culpa no casamento, mas também para que ele pudesse então, mesmo através de nossas cicatrizes, nos conduzir a algum bem espiritual.
 

A Fé Usa o Sexo Como uma Arma Contra Satanás

A terceira coisa que podemos dizer agora a respeito da fé e das relações sexuais no casamento é que a fé usa o sexo contra Satanás. Olhe para 1 Coríntios 7:3-5.
O marido conceda à esposa o que lhe é devido, e também, semelhantemente, a esposa, ao seu marido. A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, e sim o marido; e também, semelhantemente, o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, e sim a mulher. Não vos priveis um ao outro, salvo talvez por mútuo consentimento, por algum tempo, para vos dedicardes à oração e, novamente, vos ajuntardes, para que Satanás não vos tente por causa da incontinência.
Em Efésios 6:16, Paulo diz que devemos resistir a Satanás com o escudo da fé. Eis aqui o que ele diz para os que são casados: “Resistam a Satanás com suficientes relações sexuais. Não se abstenham por muito tempo, mas se ajuntem logo, para que Satanás não ganhe nenhuma posição”. Bem, como assim? Nós nos protegemos de Satanás com o escudo da fé ou o escudo do sexo?
                A resposta para pessoas casadas é que a fé faz uso da relação sexual como um meio de graça. Para as pessoas que Deus leva ao casamento, as relações sexuais são um meio ordenado por Deus de vencer a tentação do pecado (o pecado do adultério, o pecado da fantasia sexual, o pecado da leitura pornográfica, etc.). A fé humildemente aceita tais presentes e oferece graças.
                Agora note algo mais em 1 Coríntios 7:3-5. Isto é muito importante. No versículo 4, Paulo diz que o homem e a mulher têm direitos sobre o corpo um do outro. Quando os dois se tornam uma carne, seus corpos estão à disposição um do outro. Cada um tem o direito de exigir direitos sobre o corpo do outro para satisfação sexual. Mas o que precisamos de fato ver é o que Paulo ordena nos versos 3 e 5 em vista destes direitos mútuos. Ele não diz: “Então reivindique seus interesses! Receba seus direitos!” Ele diz: “Marido, dê a ela o que lhe é devido! Esposa, dê a ele o que lhe é devido!” (v. 3). E no versículo 4: “Não recusem um ao outro”. Em outras palavras, ele não encoraja o marido ou a esposa que deseje satisfação sexual a se apropriar de tal sem se preocupar com as necessidades do outro. Ao invés disso, ele encoraja tanto o marido quanto a mulher a sempre estar pronto a dar seu corpo quando o outro o quiser”.
                Faço uma inferência a partir disto e a partir do ensinamento de Jesus em geral que relações sexuais felizes e satisfatórias no casamento dependem de cada parceiro ter o objetivo de dar satisfação ao outro. Se a alegria de cada um é fazer o outro feliz, uma centena de problemas serão resolvidos.
                Maridos, se a sua alegria é trazer satisfação a ela, você será sensível a o que ela precisa e deseja. Você aprenderá que a preparação para uma relação sexual satisfatória às 10 da noite começa com palavras doces às 7 da manhã e continua ao longo do dia com carinho e respeito. E quando chega a hora, você não virá como um tanque de guerra, mas conhecerá o ritmo dela e com destreza a acompanhará neste ritmo. A menos que ela lhe dê o sinal, você dirá: “O objetivo é o clímax dela, não o meu”. E você descobrirá no longo prazo que mais bem aventurado é dar do que receber.
                Esposas, não é este sempre o caso, mas acontece com frequência, que seus maridos desejam relações sexuais mais frequentemente do que vocês. Martinho Lutero disse que ele achava que duas vezes por semana dava uma ampla proteção contra o tentador. Eu não sei se Katie estava disposta para toda vez ou não. Mas se você não estiver, dê-lhe isso assim mesmo. Eu não digo aos maridos: “Tome assim mesmo”. De fato, por amor dela, pode ser que você fique sem. O objetivo é vencerem um ao outro em dar o que o outro deseja. Ambos, tornem seu objetivo satisfazer um ao outro o mais plenamente possível.
“Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula”. Ou seja, não peque em suas relações sexuais. E isso significa, tenha apenas aquelas atitudes e pratique apenas aqueles atos que vêm da fé nas promessas de Deus, que são criadoras de esperança. Nós todos deveríamos regularmente nos perguntarmos: “O que estou sentindo ou fazendo tem suas raízes no contentamento da fé ou na ansiosa insegurança da descrença?” Isso lhe ajudará em centenas de pequenas e grandes decisões éticas.
Eu simplesmente tentei demonstrar o impacto da fé em três aspectos das relações sexuais no casamento. Primeiro, a fé crê em Deus quando ele diz que as relações sexuais no casamento são boas e limpas e devem ser recebidas com ações de graças por aqueles que creem e conhecem a verdade. Segundo, a fé aumenta a alegria das relações sexuais no casamento porque ela liberta da culpa do passado. A fé crê na promessa de que Cristo morreu por todos os nossos pecados, que nele podemos ter relações sexuais livres de culpa no casamento. E finalmente, a fé empunha a arma da relação sexual contra Satanás. Um casal casado dá uma severa pancada na cabeça daquela antiga serpente quando ambos têm o objetivo de dar tanta satisfação sexual ao outro quanto possível. Isso me faz apenas querer louvar ao Senhor quando penso que no topo de toda a alegria que o lado sexual do casamento traz, ele também prova ser uma temível arma contra nosso antigo adversário.

Fonte: Voltemos ao Evangelho

Preparando -se para o casamento - Série do livro relacionamentos complementares - John Pipper -Parte 1

“Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula; porque Deus julgará os impuros e adúlteros. Seja a vossa vida sem avareza. Contentai-vos com as coisas que tendes; porque ele tem dito: De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei!” – Hebreus 13:4-5
É interessante que Hebreus coloque o dinheiro e o leito conjugal lado a lado. Eu duvido que isto seja uma coincidência, uma vez que a maioria dos conselheiros hoje colocam o dinheiro e as relações sexuais perto do topo de suas listas de possíveis problemas no casamento. Concordância com relação ao dinheiro é importante e a harmonia no leito conjugal não parece ser algo que se constrói com facilidade. Nosso foco neste capítulo será as relações sexuais no casamento, não o dinheiro.
                “Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula”. O seja, que as relações sexuais no casamento sejam mantidas puras, limpas, imaculadas. Todos esses termos como “sem mácula”, “puro”, “limpo”, “imaculado” são simplesmente visuais ou metáforas tangíveis de uma exigência moral, a saber, não pecar em suas relações sexuais no casamento. Mas o que é pecado? Pecado é qualquer ato ou atitude que desagrade a Deus. Mas penso ser muito útil nos concentrarmos na natureza essencial do pecado em sua relação com a grande força favorável na vida cristã, a saber, a fé. Hebreus 11:6 diz: “Sem fé é impossível agradar a Deus.” Isso implica duas coisas:
  1. Uma vez que pecado é tudo o que desagrada a Deus e uma vez que sem fé é impossível agradar a Deus, então, se você não tem fé, tudo o que você faz é pecado, porque tudo o que você faz desagrada a Deus.
  2. Isto sugere muito fortemente que deve haver uma conexão muito próxima, talvez causal, entre a falta de fé e o pecado. E Romanos 14:23 confirma tal conexão. A passagem diz: “Tudo o que não provém de fé é pecado.” Em outras palavras, a natureza essencial destas ações e atitudes que chamamos de pecado é que elas não são estimuladas ou motivadas por um coração de fé. O que torna uma atitude ou ato desagradável a Deus é que ela não nasce da fé em Deus. O pecado é mau precisamente em sua falha em ser produto da fé.


Fé, Pecado, e Relações Sexuais no Casamento:
 
Precisamos esclarecer como é que nossas ações vêm “de fé” ou não. Em primeiro lugar, o que é esta fé que produz atitudes e ações que não são pecado? Hebreus 11:1 diz: “A fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não veem.” Em outras palavras, fé é a confiança que sentimos nas boas coisas que Deus prometeu fazer por nós amanhã e até a eternidade. Não podemos vê-las, mas a fé é a certeza de que as promessas nas quais esperamos se realizarão. Hebreus 11:6, mencionado antes, diz: “Sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam.”
                Em outras palavras, a fé que agrada a Deus é nossa vinda a ele com a confiança de que, talvez contrário a todas as aparências, ele nos recompensará com as boas coisas que ele prometeu.
                Agora, como tal fé produz atitudes e atos que não são pecado? Volte comigo a Hebreus 13:5. “Seja a vossa vida sem avareza. Contentai-vos com as coisas que tendes”. A avareza, ou o amor ao dinheiro, é um desejo que desagrada a Deus; é pecado. 1 Timóteo 6:10 diz: “O amor ao dinheiro é a raiz de todos os males”. Ora, o antídoto para este amor pecaminoso e todos os males que nascem dele é o contentamento: “Contentai-vos com as coisas que tendes”. Mas o escritor não nos deixa aqui sozinhos para de alguma maneira exacerbarmos o contentamento. Mas ele continua para dar uma base par ao contentamento: “Porque [Deus] tem dito: De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei.” A base para o contentamento é a promessa do auxílio infalível e da comunhão de Deus. A promessa é tirada de Deuteronômio 31:6: “Sede fortes e corajosos, não temais, nem vos atemorizeis diante deles, porque o SENHOR, vosso Deus, é quem vai convosco; não vos deixará, nem vos desamparará.”
                Então o escritor de Hebreus está dizendo isso: Deus fez promessas tão reconfortantes, tranquilizantes, e que inspiram esperança em sua Palavra que, se tivermos fé nestas promessas, teremos contentamento. E o contentamento é o antídoto para o amor ao dinheiro que é a raiz de todos os males.
                Agora podemos ver mais claramente como uma ação ou atitude vem “de fé” ou não. Se não temos fé, se não confiamos na promessa de que Deus “não nos deixará, nem nos desamparará”, então nos sentiremos ansiosos e inseguros, e o poder enganoso do dinheiro de comprar segurança e paz será tão atraente que começará a produzir outros males em nós. Estaremos inclinados a roubar, ou mentir em nossas declarações de imposto de renda, ou racionalizar porque não deveríamos estar contribuindo generosamente com a igreja, ou convenientemente esquecer de um débito que temos com um amigo, ou recusar gastar qualquer dinheiro para tornar nosso imóvel alugado mais habitável, etc., etc. Os males que vêm do amor ao dinheiro são intermináveis. E a razão pela qual estes males são pecado é que eles não vêm de fé.
                Se tivermos fé na promessa de que Deus “não nos deixará, nem nos abandonará”, então seremos livres da ansiedade e insegurança que implora por mais dinheiro, e teremos vitória sobre os pecados que são resultado do amor ao dinheiro. Se você está contente em Cristo, descansando na promessa de que Deus sempre lhe ajudará e estará ao seu lado, então a compulsão a roubar e mentir em sua declaração de imposto de renda, a avareza nas suas ofertas, a negligência com suas dívidas, e sua tirania contra senhorios pobres irão embora. No lugar estarão um dia de trabalho honesto, total precisão na declaração de imposto de renda, generosidade à igreja, fidelidade ao pagar dívidas, e o agir com seus senhorios como você gostaria que eles fizessem com você. E todo esse novo comportamento não será pecado, mas justo, porque vem da fé na promessa criadora de esperança de Deus.
                Agora, só para o caso de você ter perdido a conexão entre tudo isso e as relações sexuais no casamento, vamos voltar e pegar o fio da meada. Hebreus 13:4 diz: “Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula”. Isso significa: “Que o leito conjugal seja sem pecado; não peque em suas relações sexuais”. Agora vimos que o pecado é tudo o que não provém de fé. Pecado é o que você sente, pensa e faz quando não confia no que Deus disse e não descansa em suas promessas. Então a ordenança de Hebreus 13:4 pode ser declarada da seguinte maneira: Que suas relações sexuais sejam livres de qualquer ato ou atitude que não vem da fé na Palavra de Deus. Ou para colocar de uma maneira positiva: Tenha aquelas atitudes e pratique aqueles atos em suas relações sexuais conjugais que nasçam do contentamento que vem da confiança nas promessas de Deus.


Fonte: www.voltemosaoevangelho.com

19 de novembro de 2012

Eu sou Teu - Gabriela Rocha




Reflitam nessa letra.. e se auto examine, será que você tem se baseado na fé? na palavra de Deus? Será que você tem crido? ou você está se deixando levar pelas dificuldades? CREIA! ELE É MUITO MAIS PODEROSO QUE QUALQUER DIFICULDADE SUA!! SIRVA A ELE E TENHA APENAS ELE COMO OBJETIVO EM SEU CORAÇÃO APENAS JESUS E SUA DOCE VONTADE!!

Eu Sou TEU- Gabriela Rocha

Minha fé não está em sabedoria humana
Mas no poder de Deus.
Minha força está em ti.

O que Deus preparou é maior,
Seus mistérios ele revelará.
Vou continuar, tenho promessas,
Vou viver o plano de Deus.

Chamado por Deus,
Não há nada que possa impedir.
Eu sou teu, e o que me importa é te servir.

Minha fé não está em sabedoria humana
Mas no poder de Deus.
Minha força está em ti.

O que Deus preparou é maior,
Seus mistérios ele revelará.
Vou continuar, tenho promessas,
Vou viver o plano de Deus.

Chamado por Deus,
Não há nada que possa impedir.
Eu sou teu,
E o que me importa é te servir.


TENHAM UMA SEMANA MARAVILHOSA E QUE DEUS ABENÇOE A TODOS VOCÊS PODEROSAMENTE, COM INTIMIDADE, PODER E DONS ESPIRITUAIS!

AMO VOCÊS!

Marcela

Não fuja do caminho CERTO!

"Então Moisés estendeu a sua mão sobre o mar, e o SENHOR fez retirar o mar por um forte vento oriental toda aquela noite; e o mar tornou-se em seco, e as águas foram partidas. E os filhos de Israel entraram pelo meio do mar em seco; e as águas foram-lhes como muro à sua direita e à sua esquerda. Êxodo 14:21-22"
 


O povo de Israel  ao sair da terra do Egito, foi conduzido por Moisés  o qual era guiado pelo Espirito de Deus , e para que fossem libertos da escravidão de Faraó. Eles tiveram que atravessar o mar  vermelho , por um CAMINHO que o Senhor abriu para o  Seu povo . Imagine se o povo de Israel resolvesse se  desviar pela direita ou para a esquerda daquele caminho a seco que o Senhor abrira no mar para eles passarem? ! um passo que fosse dado fora seria suficiente para serem tragados pela força do mar . Assim  acontece como a gente nos dias de hoje ,  que  fomos tirados de uma vida de escravidão, por isso  devemos andar em um caminho reto trilhado pelo Senhor Jesus para não sermos tragados por Satanás , pois o Senhor  abriu um caminho  e ele é único não há outro paralelo a este , e este caminho tem nome : SANTIDADE , e isso é bíblico veja em  Isaias 35:8-9   "E ali haverá uma grande estrada, um caminho que será chamado Caminho de Santidade. Os impuros não passarão por ele; servirá apenas aos que são do Caminho; os insensatos não o tomarão. Ali não haverá leão algum, e nenhum animal feroz passará por ele; não se acharão ali. Só os redimidos andarão por ele" . Andemos pelo caminho reto , pelo caminho santo , para que permaneçamos  em Cristo  , vivendo a palavra em sua TOTALIDADE  , pois um passo fora pode determinar a nossa salvação.  Lembremos que o próprio Jesus diz ser este caminho :  Respondeu Jesus: "Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim (João 14:6).



Que a Paz do Senhor que excede todo entendimento seja com cada um de vocês .

 
 
Bárbara Vital

1 de novembro de 2012

VOCÊ TEM SE DEIXADO SER ALCANÇADO PELA GRAÇA DE DEUS?


Jesus ao se entregar por nós na cruz do calvário abriu mão de todo seu poder,  glória e majestade ,  e se você parar pra pensar nós não somos capazes nem sequer de imaginar  a dimensão o tamanho a proporção de tudo o que Jesus abriu mão para estar no meio de nós , para ser como um de nós, sentir fome, sede,frio ,calor,  alem de ser chamado de mentiroso, blasfemador  , até como edemoninhado  ele foi tachado. E  como se isso  não fosse suficiente ,  Ele ainda foi humilhado, ,cuspido, açoitado, flagelado até a morte . Você já perguntou porquê tanto sacrifício? Pra que tudo isso? Tudo isso é por que Ele nos ama , pois um dia todos nós fomos destituídos da sua glória, pelos nosso pecados fomo separados de sua presença:  "Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus".( Rm 3:23). E ainda respondendo a pergunta acima , todo este sacrifício para hoje nós pudéssemos ter  a oportunidade de viver uma vida plena e abundante no reino do seu Filho amado. E sabendo de tudo isso , muitos Cristãos, nós mesmos assim dizendo ,   temos  usado  como pretexto , ou melhor como JUSTIFICATIVA  de nossos  pecados, por conhecermos a Graça , que quer dizer: favor não merecido , sabendo que o amor e a bondade de Deus nos alcança mesmo não sendo merecedores . Mas nos esquecemos de que a palavra de Deus também diz em Hebreus 13: 8   que “Jesus  é o mesmo ontem, hoje e eternamente”, e desde que Deus concedeu suas Leis a Moisés , Ele as escreveu para que o povo soubesse que se desobedecessem as Leis eles seriam punidos , pois existiam também as conseqüências para os desobedientes.  E então Jesus vem com um novo discurso :

"Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás; mas qualquer que matar será réu de juízo. Eu, porém, vos digo que qualquer que, sem motivo, se encolerizar contra seu irmão, será réu de juízo; e qualquer que disser a seu irmão: Raca, será réu do sinédrio; e qualquer que lhe disser: Louco, será réu do fogo do inferno."  Mateus 5:21-22   

Ou ainda

"Ouvistes que foi dito aos antigos: Não cometerás adultério.
Eu, porém, vos digo, que qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela."  Mateus 5:27-28


Ou seja , ainda que a graça de Deus sempre poderá nos alcançar, e o amor Dele não falhe nunca, nós hoje vivemos em tempo em que o Senhor  diz : olha se antes você não pudesse fazer essas coisas, hoje você não pode  nem sequer desejar fazê-las . Amados , vocês pode compreender a profundidade  disso ? estamos falando do mesmo Deus Ele não mudou , seu padrão de santidade continua o mesmo , o que mudou foram as condições que temos para podermos usufruir da sua graça , digo usufruir, pois se não estivermos vivendo nos padrões de santidade que Deus deseja que tenhamos,  sua Graça de nada adianta para as nossas vidas,  e caso isso aconteça o sacrifício de Cristo se torna insignificante para nós, pois há um abismo chamado PECADO  que nos separa da sa graça.

Se permita ser alcançado pela graça de Deus!

3 de outubro de 2012

A fidelidade de Deus mostrada na Biblia

Boa noite irmãozinhos... Eu to lendo um livro chamado ‘’Apocalipse I – Desvendando os mistérios da mente de Deus’’, do autor Elcio Valter, e queria compartilhar algo com vocês que eu li e que me fez pensar muito.
 
O mundo está nas mãos de Deus, e nada, sejam coisas boas ou ruins, acontece sem a vontade do Pai. Tudo o que Deus faz tem um propósito, um objetivo a ser cumprido. Nada acontece aleatoriamente, pois tudo já está planejado. Apesar disso, muitas vezes murmuramos quando passamos por alguma dificuldade (generalizei, mas é porque acontece comigo). Então lá vai:
 
O PROPÓSITO COM ABRÃO: Deus separou Abrão do meio do povo da terra, para cumprir nele o Seu propósito.
 
‘’Ora, o Senhor disse a Abrão: Sai-te da tua terra, e da tua parentela, e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei. E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei, e engrandecerei o teu nome, e tu serás uma bênção. E abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra. ’’ (Gênesis 12:1-3)
 
O PROPÓSITO DESDE ADÃO: E o propósito era que, do lombo de Abrão fosse cumprida a profecia de salvação da humanidade, dada desde o Éden.
 
‘’Então, disse Adão: A mulher que me deste por companheira, ela me deu da árvore, e comi.
E disse o Senhor Deus à mulher: Por que fizeste isso? E disse a mulher: A serpente me enganou, e eu comi.
Então, O Senhor Deus disse à serpente: Porquanto fizeste isso, maldita serás mais que toda besta e mais que todos os animais do campo; sobre o teu ventre andarás e pó comerás todos os dias da tua vida. ’’ (Gênesis 3:12-14)
 
O PROPÓSITO COM JOSÉ: A venda de José para o Egito também cumpriu um propósito, que era o de livrar a casa de Abraão da fome que abalou o mundo na época.
 
‘’E disse José a seus irmãos: (...) Agora, pois, não vos entristeçais, nem vos pese aos vossos olhos por me haverdes vendido para cá; porque, para conservação da vida, Deus me enviou diante da vossa face.’’ (Gênesis 45:4-5)
 
O PROPÓSITO COM MOISÉS: Moisés foi livre da matança das crianças feitas pelo Faraó Ramsés, para mais tarde ser o libertador do povo hebreu da escravidão no Egito.
 
O PROPÓSITO COM DANIEL: Assim também foi com o profeta Daniel, levado cativo para o centro do mundo, por ser ali o trono do rei que governava o mundo, onde tudo era decidido.
 
Da hora né? Bons fatos verídicos pra nos motivar a glorificar a Deus nas dificuldades.
 
Por: Lana Francis

10 de setembro de 2012

Deus quer realizar um conserto em sua vida!



Ezequiel, 36, 25-26.

Quando consertamos algum bem material com defeito, certamente precisamos destacar duas coisas:

1º Ele tem valor. Nos dias de hoje o que não possui mais valor é descartado e substituído.

2º Precisamos de sua funcionalidade para nos trazer algum benefício.
 

Podemos assim dizer que o Senhor tem esse conceito a nosso respeito, porém temos para Ele um valor que não se pode medir.

Quando Deus nos propõe um conserto dentro de nós, é pelo motivo acima mencionado:


1º VOCÊ TEM VALOR.

Satanás jamais irá valorizar a sua vida, a não ser nos momentos que você se entrega ao pecado.

No caminho do erro, satanás nos dá uma sensação de que somos bons, de que somos auto-suficientes  e que não precisamos estar debaixo da vontade de Deus. 

Ignore hoje mesmo o que satanás tem implantado em seu coração, pois o SEU CRIADOR quer um conserto com você.

Hoje é o ultimo dia que você andará quebrado nessa vida, pois o Senhor mudará o seu coração.


2º QUANDO SUA VIDA FUNCIONA CONFORME A VONTADE DE DEUS, VOCÊ SE TORNA UM PEQUENO CRISTO NESSA TERRA.

A palavra cristão significa pequeno Cristo, ou seja, um representante dEle aqui na terra.

Posso dizer que os olhos do Senhor se volta para você com um belo sorriso orgulhoso quando você entende e obedece, assim sendo, funcionando perfeitamente, cheio de frutos dentro de si mesmo.

Deus te entregou um coração novo, porem o coração antigo o de pedra, insiste em prevalecer dentro de você.  Arranque em oração esse coração de pedra, jogando fora com ele todos os pecados, toda desobediência, toda falta de fé e receba do Senhor um coração manso, calmo, humilde e cheio de obediência.

Não somos merecedores desse novo coração, porém o Senhor nos dá por amor dEle mesmo, conforme está escrito em Ezequiel 36, 32.

5 de setembro de 2012

Feridas




"Todos nós carregamos marcas, todos nós temos cicatrizes para mostrar; hora causadas pelas batalhas da guerra, hora pelos nossos próprios erros. Coisas ruins também acontecem com pessoas boas, mas o como reagimos determina se continuamos a ser pessoas boas. A vida, às vezes, parece injusta conosco; somos ofendidos, machucados, atacados e temos de lidar com o fato de que aparentemente, Deus poderia
ter feito algo para nos preservar e não o fez. Perdemos o foco, nos sentimos desencorajados, arrumamos culpados...e então temos que escolher entre o cinismo e a confiança em Deus, entre nos tornarmos espectadores críticos e continuarmos adorando em espírito e verdade, crendo,que Deus continua no controle."
Ap. Rina